Siga-nos no Facebook

Canto

Soletro
o
calar
deste teu silêncio.

Teu olhar
que se apapela
nesta noite,
que sangra
versos,
letras
e no compor
de almas
em contemplações
dos cantos,
dessas guitarras,
desses pianos,
dessas trombetas
que a voz
do teu chorar
delega-me em paixonices
para ouvir em sentimentos
suas batidas sertanejas.


Autor: Luís Nhazilo



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Entrevista com Pré-Destinada [ser poeta é assumir a veia da demência]

Entrega

A vida é um mar de rosas, mas quando é mal acarinhada vira um mar de espinhos